atravessei meu deserto
segurando um lírio
decerto espelhei o oásis
fonte da minha visão

claudia almeida

uma borboleta a voar sobre os chifres
da girafa, meus sonhos caíram no
chão, pra onde partir?
a quietude desce no silêncio
meu olho colheu a natureza do
instante revelado no pensamento.



claudia almeida


o sol caiu na baia
direi ao horizonte
da minha janela
és tu poesia redentora
a avermelhar os peixes

claudia almeida

mas, o que tem o poente
com o poema?
pensaria nos outros, os animais
dizem os poetas, é mais que a luz
o sol é irmão do comboio

claudia almeida
cada verso veloz
morre solitário
porque não há voz
que o cante

perdi um poema
porque era passarinho

claudia almeida