Casulo Egípcio


Borboletas têm alma leve
do casulo aos olhos uma frente
suavizam com suas asas azuis
as folhas levantam na roda de vento
e muitas outras leves, vermelhas
amarelas dentro do livro o Canadá
todas as nuanças sem padrão na tela
simetria na mente antes de vê-las
permissão de serem florellas e diurnas
acorda o espírito, a delicadeza, a saga
pros egípcios caçá-las depois da morte.
.
Claudia Almeida

6 comentários:

helen ps disse...

Poetas têm alma de borboleta...
Lindo o novo blog. Já adicionei aos meus favoritos.

Abraço,

PAZ e LUZ

Roseane S. B. disse...

Claudinha, criar esse Blog para você, foi como ter asas de borboletas e sair por aí, enfeitando os jardins da vida! Acho que consegui sentir seu maravilhoso trabalho, porque aqui seus poemas ganharam vida especial! Parabéns! Um beijo no ♥
Roseane S. B.

Claudia Almeida disse...

RECEBI COM CARINHO

Casulo Egípcio

Poesia é síntese, metáfora, susto e estranhamento.
Essas borboletas do casulo egípcio têm tudo isso e além do mais, mistério:

Acorda o espírito, a delicadeza, a saga
Pros egípcios caçá-las depois da morte.

parabéns, Cláudia.
bjs.
Marco Bastos

Claudia Almeida disse...

RECEBI COM CARINHO NO OVERMUNDO

Inquietante, Claudia, que se pudesse vê-las, as borboletas de variadas cores, e mesmo caçá-las além do umbral.
Instigante, até!
Os versos dão leveza ao que pesa.

Adroaldo Bauer

Claudia Almeida disse...

RECEBI COM CARINHO

Borboletas nos guiam...parabens ab
Cintia Thome • São Paulo (SP)

hideraldo Montenegro disse...

Estes blog está lindo e com os seus adoráveis poemas. Desejo sinceramente que ele seja muito visitado.
Beijos